Quatro passos para conviver com a diabetes

É hora de tomar pílula? Guia prático para você tomar essa decisão numa boa
11 de outubro de 2019
Novembro Azul faz alerta sobre o câncer de próstata
7 de novembro de 2019
Exibir tudo

Quatro passos para conviver com a diabetes

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que atualmente 422 milhões de pessoas sejam diabéticas em todo mundo, praticamente duas vezes a população brasileira. Diabetes é uma doença crônica que pode levar à morte. Só entre 2010 e 2016, mais de 400 mil pessoas foram vítimas no Brasil. Mesmo assim, o paciente leva uma vida normal quando faz o tratamento correto e mantém a doença sob controle.

  • Diagnóstico precoce

Como acontece com qualquer doença, o diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento. Preste atenção: se você percebeu que está urinando demais (poliúria) e sente muita sede e fome ao longo do dia, procure imediatamente um serviço de saúde. Alterações visuais, impotência sexual, fungos nas unhas e na pele, feridas que não cicatrizam rápido e obesidade também são indicativos para um possível quadro de diabetes. Ainda vale lembrar que os casos aumentam com a idade. Então, a partir dos 40 anos é importante fazer um exame de glicemia. 

  • Monitoramento

Diabetes é quando o organismo sente dificuldades ou é incapaz de absorver insulina, o hormônio que transforma a glicose em energia para o corpo. Por isso, o diabético precisa evitar que os níveis de açúcar no sangue (glicemia) fiquem muito altos. Há diversas formas e métodos para acompanhar essas variações de acordo com a idade do paciente: hemoglobina glicada, glicemia pós-prandial e frutosamina são alguns. O paciente também pode fazer o seu monitoramento diário com um aparelho medidor de glicemia. Inclusive, hoje é possível contar com o auxílio de aplicativos. O monitoramento constante e cuidadoso ajuda muito no que diz respeito à próxima dica: a alimentação.

  • Alimentação

Contar com o acompanhamento de nutricionista é uma boa ideia. Esses profissionais podem elaborar cardápios que ajudam no controle da glicemia e, olha só, podem proporcionar um equilíbrio para que você não abandone tudo o que gosta de comer. Mas há dicas para qualquer paciente praticar sozinho. Uma delas é o que se chama de fracionar a alimentação, comer várias vezes ao dia (de 3 em 3 horas) para evitar os “picos de glicose”. Outra recomendação é trocar alimentos. Por exemplo, quando você consome arroz, macarrão e farinha integral têm muito menos chances de elevar os níveis de glicemia do que quando come as versões tradicionais desses produtos. Evite também açúcar refinado e alimentos ultraprocessados.

  • Tenha a rotina de uma pessoa saudável

É óbvio! Como qualquer um, o diabético precisa de hábitos saudáveis. Uma pessoa sedentária se torna alvo mais fácil para qualquer problema de saúde. Portanto, faça exercícios. Atividade física é essencial para melhorar a saúde do coração, das vias respiratórias e tudo isso ajuda no controle da diabetes. Para complementar, não esqueça de duas coisas que fazem bem para todo mundo: hidratação e cama. Tome bastante água, evite bebidas alcoólicas ou industrializadas e durma bem! Sim, uma boa noite de sono ajuda a regular os níveis de colesterol e de glicose do sangue.