O que você precisa saber na hora de “tomar a pílula”

Dia dos Pais: conheça o pai do século XXI e escolha novos presentes para ele
5 de agosto de 2019
Organize-se: veja como criar seu próprio calendário e ter uma rotina mais saudável
17 de setembro de 2019
Exibir tudo

O que você precisa saber na hora de “tomar a pílula”

Pílula é o nome dado para medicamentos em forma de bolinha ou confeito que normalmente é ingerido com ajuda de um copo d’água. Mas a palavra também se tornou um sinônimo para uma categoria, a dos anticoncepcionais, produtos farmacêuticos que evitam a gravidez. 

Não é por acaso. Essa pequena questão de vocabulário ajuda a entender a importância da pílula anticoncepcional desde sua invenção, há quase sessenta anos. Foi em 1960 que o cientista americano Gregory Pincus, depois de realizar estudos às escondidas, chegou à primeira versão da pílula feminina, o Enovid-10.

Desde então, milhões, talvez bilhões, de mulheres, conquistaram o benefício de realizar um planejamento familiar eficiente. Foi a partir da invenção da pílula que se tornou possível controlar a gravidez indesejada. O medicamento também abriu as portas do mercado de trabalho para as mulheres quando elas também passaram a se dedicar a uma carreira sem precisar abandonar os sonhos e desejos da maternidade. 

Uso e benefícios da pílula

É importante ressaltar que a pílula não age apenas na prevenção da gravidez. Há também outras vantagens para as mulheres que fazem uso contínuo de anticoncepcionais. 

Antes de qualquer coisa, é importante eliminar algumas confusões. Quando surgiu, lá nos anos 1960, a dose hormonal do estrogênio da pílula era bem mais alta. Isso provocava distúrbios intensos e desagradáveis como aumento de peso, problemas vasculares e dor nas mamas. 

Com o passar do tempo, a quantidade de hormônios na pílula diminuiu muito e a maioria dos sintomas indesejáveis virou coisa do passado. Embora os efeitos possam variar em cada mulher, atualmente há evidências científicas de que o uso contínuo da pílula melhora, por exemplo, as condições do útero e até auxilia na prevenção de câncer do endométrio e de ovário. Estudos dão conta de que o uso contínuo de anticoncepcional por 5 anos pode reduzir de 30% a 50% as chances de se desenvolver um câncer desses tipos. Já para quem toma há dez anos os riscos chegam a cair a um patamar entre 50% e 70%. 

Desde que feita com acompanhamento médico e tomando os cuidados necessários, a pílula anticoncepcional pode ser uma aliada das mulheres e seu uso pode ser interrompido sempre que houver o desejo de engravidar. 

Uma solução para diferentes mulheres

Também se engana quem acredita que as pílulas só servem para mulheres jovens com objetivo de controlar a fertilidade. 

Recentemente, novos produtos surgiram e as pílulas podem ser combinadas com outros benefícios como a redução da oleosidade, da acne e retenção de líquido. As pílulas mais modernas também podem incluir componentes capazes de melhorar a saúde dos ossos – outro problema que atinge o público feminino, principalmente depois dos 35 anos. 

Claro que tudo depende de um diagnóstico e da recomendação médica. 

A partir dos 40 anos a mulher entra em uma fase batizada de climatério. É um período de transição que termina na menopausa. Nesse estágio, elas também podem se utilizar da pílula desde que não sejam fumantes ou sofram de hipertensão ou diabetes. Da mesma forma, o uso do anticoncepcional não é recomendado para mulheres obesas ou que tiveram na família alguém que morreu antes dos 55 anos por causa de alguma doença cardíaca.

Você já deve ter ouvido também sobre a relação entre o uso da pílula e trombose, o que pode assustar quem não conhece bem ou não faz uso do medicamento. Mas é importante ressaltar: desde quando as pílulas passaram a contar com uma dosagem mais baixa de hormônios, a incidência de trombose associada ao uso da pílula foi muito pequena. O alerta fica para mulheres obesas, que tenham alguém que sofreu de trombose na família ou que sejam fumantes. Essas, sim, devem evitar o uso de pílulas anticoncepcionais.  

Aliás, o hábito de fumar é uma das principais contraindicações para o uso contínuo da pílula, principalmente depois dos 35 anos quando a combinação pílula e cigarro aumenta as chances de distúrbios cardiovasculares. 

O cigarro também é vilão em outro problema recorrente entre mulheres com o passar do tempo: a perda de cálcio ósseo. Fumar atrapalha a absorção do nutriente e prejudica as reservas do organismo, tão fundamentais depois dos 40 anos. 

Tipos de pílula

Atualmente há muitas opções de pílula anticoncepcional no mercado e que podem ser utilizadas para cada necessidade e perfil. 

Basicamente existem dois tipos principais de pílulas. Um deles é formada pela combinação de dois hormônios: estrogênio e progestogênio. No outro grupo estão aquelas feitas apenas com progestogênio. 

Mas há também outras opções de aplicação como, por exemplo, os anticoncepcionais injetáveis. Neste caso é feita apenas uma injeção durante o mês e seu uso é especialmente recomendado para mulheres que possuem intolerância ao uso de hormônios via oral. 

Outro ponto positivo dos anticoncepcionais injetáveis é uma mãozinha contra um dos problemas mais comuns de quem faz uso da pílula: o esquecimento. Na verdade, deixar de tomar a pílula é praticamente a única forma de prejudicar sua eficácia e impedir que ela funcione adequadamente. Por isso, ter uma única dose mensal pode ser bastante útil para a mulher não “falhar”, o que acontece com mais frequência entre as mais jovens e menos habituadas ao uso da pílula.

Tecnologia contra o esquecimento

Mas é claro que não foi só a pílula que evoluiu desde sua invenção. Você achou mesmo que com tantas ferramentas tecnológicas, alguém não ia pensar em criar um aplicativo que ajudasse as mulheres a não esquecer de tomar o anticoncepcional?

Sim, eles existem! Um dos apps que ajudam no controle da pílula se chama “Hora da Pílula”, disponível gratuitamente para baixar (app store). Há, inclusive, outras versões de aplicativos que podem ser úteis para mulheres que tomam pílula e outros medicamentos continuamente. Eles avisam o horário e o medicamento que você precisa tomar.

Agora que você já sabe tudo o que precisa sobre as pílulas, faça uma visita ao seu médico e veja qual dos anticoncepcionais são mais apropriados para o seu corpo. 

O melhor preço você já sabe onde encontrar 😉