Dia Mundial de Combate ao Câncer: o que você precisa saber sobre o assunto - Poupafarma

Dia Mundial de Combate ao Câncer: o que você precisa saber sobre o assunto

Como tomar anticoncepcionais
20 de janeiro de 2020
É Carnaval! Você não precisa descuidar da saúde para se divertir
7 de fevereiro de 2020
Exibir tudo

Dia Mundial de Combate ao Câncer: o que você precisa saber sobre o assunto

A simples menção da palavra assusta e não é por acaso. O câncer é a segunda causa de mortes no mundo. Em 2018, foram quase 10 milhões de pessoas que não resistiram à doença, número não muito menor do que a quantidade de habitantes da cidade de São Paulo (12 milhões). Se contarmos todas as pessoas diagnosticadas, significa dizer que um em cada cinco homens ou uma em cada seis mulheres no planeta precisaram lidar com um câncer. 

Embora os casos tenham aumentado ao longo das últimas décadas, a relação do ser humano com essa doença é bem mais antiga. Estudos indicam que o primeiro tumor identificado na humanidade é de pouco mais de 4,500 anos atrás, um câncer de mama diagnosticado no Egito Antigo. Segundo o médico indiano Siddhartha Mukherjee, autor do livro “O imperador de todos os males” que trata da história da doença, a explicação para o aumento da incidência de tumores é bastante lógica. As grandes evoluções sociais, médicas e tecnológicas permitiram aumentar muito a expectativa de vida das pessoas e, com isso, os casos agora aparecem com muito mais frequência. Sem falar que a população mundial também aumenta a cada ano. 

A importância da conscientização

A criação de um Dia Mundial de Combate ao Câncer, celebrado em 4 de fevereiro, está diretamente ligada a ideia de informar e educar. 70% dos casos fatais da doença acontecem em países de média e baixa renda, muitas vezes por falta de acesso à informação, diagnósticos e tratamentos precoces que aumentam muito a probabilidade de cura. Nessa data, diversos institutos no mundo todo criam campanhas de prevenção liderados pela UICC (União Internacional de Controle do Câncer).

Recentemente, a apresentadora Ana Maria Braga anunciou que está em tratamento de câncer de pulmão, o tipo mais comum da doença. Em seguida aparece o câncer de mama, colorretal, próstata, câncer de pele e estômago. A causa está ligada a diversos fatores como cigarro, sedentarismo, má alimentação e poluição. O envelhecimento também aumenta os riscos de desenvolvimento da doença, mais isso não quer dizer que não existam formas de se prevenir ou evitar que a doença seja fatal. 

Medidas de prevenção e cuidado 

Se o número de casos diagnosticados de câncer aumentou bastante nas últimas décadas, também cresceu muito a quantidade de sobreviventes. Estima-se que no mundo seja possível contabilizar 44 milhões de pessoas que estão vivas cinco anos depois de descobrirem a doença. Ou seja, além da realização de check-ups periódicos capazes de identificar um tumor mais rápido e aumentar as chances de cura, algumas atitudes podem realmente contribuir para a prevenção da doença. 

Só o câncer de pulmão é responsável por mais de um quinto dos casos no mundo e o cigarro ainda contribui para o desenvolvimento de outros tumores. Por isso, evitar o tabagismo é uma das primeiras coisas a fazer. Além de não fumar, reduzir o consumo de álcool, cuidar da alimentação e a prática de exercícios físicos também são aliados importantes. Segundo especialistas, 40% dos casos podem ser evitados quando as pessoas desenvolvem hábitos saudáveis.