Benefícios do Ferro na nossa Saúde

Síndrome de Down
O que você precisa saber sobre a Síndrome de Down
21 de março de 2019
metabolismo
Metabolismo x Emagrecimento
27 de março de 2019
Exibir tudo

Benefícios do Ferro na nossa Saúde

Ferro

O nosso organismo, depende de diversos elementos que ingerimos, os nutrientes. Dentre estes nutrientes, podemos observar os sais minerais, que são de extrema importância para a nossa saúde. Os minerais fazem parte de dois dos três grupos de alimentos que necessitamos ingerir. O grupo dos alimentos construtores e o grupo dos alimentos energéticos.

O cálcio, fósforo, iodo, zinco, cobre, sódio, potássio, magnésio entre outros são os minerais mais importantes e conhecidos. O ferro é um nutriente essencial para a vida e atua principalmente na síntese (fabricação) das células vermelhas do sangue e no transporte do oxigênio para todas as células do corpo.

Ferro

Segundo pesquisas, a ingestão deficiente de ferro é muito mais comum do que se imagina, tanto que no Brasil, existem programas governamentais de combate à carência de ferro na alimentação da população.

Gestantes e crianças são os grupos mais vulneráveis, porém muitos adultos, devido aos maus hábitos alimentares, podem também ter carência de ferro.

Principais fontes de Ferro

O nutriente pode ser fornecido ao organismo por alimentos de origem animal e vegetal, sendo que o de origem animal é melhor aproveitado pelo organismo. São melhores fontes de ferro as carnes vermelhas, principalmente fígado de qualquer animal e outras vísceras (miúdos), como rim e coração; carnes de aves e de peixes, mariscos crus.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o leite e o ovo não são fontes importantes de ferro. Entretanto, no mercado já existem os leites enriquecidos com ferro.

Entre os alimentos de origem vegetal, destaca-se como fonte de ferro, os folhosos na cor verde-escura (exceto espinafre), como o agrião, couve, cheiro-verde, taioba; as leguminosas (feijões, fava, grão-de-bico, ervilha, lentilha); grãos integrais ou enriquecidos; nozes e castanhas, melado de cana, rapadura, açúcar mascavo. O açaí é uma fruta muito rica em ferro. Também existem disponíveis no mercado alimentos enriquecidos com ferro como farinhas de trigo e milho, cereais matinais, entre outros.

Ferro

Excesso de Ferro e Necessidades Diárias

A ingestão excessiva de Ferro pode ser tóxica sobretudo quando há um uso exagerado na sua forma medicamentosa. As necessidades diárias variam conforme a idade, o sexo e a fase fisiológica da vida de cada indivíduo.

Os homens adultos necessitam de 10 mg/dia, as mulheres adultas requerem 15 mg/dia, gestantes requerem 30 mg/diárias, e nutrientes de 16 a 19 mg/dia. As necessidades de crianças variam de 6 a 12 mg/dia, conforme as recomendações dietéticas internacionais

Sintomas e Causas

Os sinais e sintomas da carência de ferro são inespecíficos, necessitando-se de exames laboratoriais, como o de sangue para que seja confirmado o diagnóstico. Os principais sinais e sintomas são: a fadiga generalizada, anorexia (falta de apetite), palidez de pele e mucosas (parte interna do olho, gengivas), menos disposição para o trabalho, dificuldade de aprendizagem nas crianças e apatia (crianças muito “paradas”).

A deficiência pode ser causada pela ingestão insuficiente de alimentos ricos em ferro, levando a uma ingestão também insuficiente do nutriente. Outras causas são as perdas excessivas de sangue como as hemorragias, menstruação excessiva, verminoses e o aumento das necessidades orgânicas de ferro através do crescimento e gestação.

Consequências

A carência de ferro é denominada anemia ferropriva ou anemia por carência de ferro. É uma deficiência nutricional grave que afeta grande parcela da população mundial de praticamente todas as camadas sociais. Crianças, gestantes, lactantes (mulheres que estão amamentando), meninas adolescentes, mulheres adultas em fase de reprodução são os grupos mais afetados pela doença, muito embora homens, adolescentes, adultos e os idosos também possam ser afetados por ela.

A anemia ferropriva está associada a maior mortalidade entre mulheres em trabalho de parto e ao aumento do risco de nascimento de crianças prematuras e de crianças de baixo peso ao nascer. Alguns estudos relatam a queda de produtividade dos trabalhadores, sua influência na resistência dos indivíduos às infecções e atraso no crescimento. Por isso, não hesite em procurar um médico caso sinta alguns dos sintomas mencionados neste artigo.

Fonte: boasaude.com.br